30.3.07

Earl e o karma

Earl e o karma Aqui em casa não tem o canal macho-que-é-macho FX então eu nunca tinha assistido essa série super divertida: My name is Earl. Ainda bem que a internet resolve tudo.

O Earl é um ladrão que vive de pequenos furtos apenas para sua subsistência e de sua família. Ele é aquele americano white trash, que mora numa cidade pequena, numa casa que é um trailer, com um bigodão e aquele aspecto fuja-assim-que-ver. Um dia Earl ganha na loteria para, em seguida, ser atropelado e ir parar no hospital, além de perder o bilhete premiado. Ainda internado e com o gesso na perna, sua mulher pede divórcio (ele casou com ela no meio de uma bebedeira para depois descobrir que ela já estava grávida de 6 meses, e o segundo filho nasceu a cara do cozinheiro negão do bar).

Earl então descobre o ‘karma’ assistindo um programa de tv que resumiu a crença budista milenar a: “faça coisas boas e coisas boas vão acontecer, faça coisas ruins e coisas ruins vão acontecer”. Earl faz uma lista (e eu adoro listas) com mais de 200 itens de coisas ruins que ele fez na vida desde criança (e ele era uma criança escrotinha) e resolveu que ia acertar tudo com todos. Assim que ele começa executar os itens de sua lista o karma delvove o bilhete premiado e com o dinheiro Earl pode se concentrar na sua lista e como ele diz "Just trying to be a better person".

Para ajudá-lo ele conta com o seu irmão Randy (um fofo que fica doidão depois de 4 cervejas e canta ‘Time after time’ quando está na fossa), com Joy sua ex-esposa encrenqueira, Catalina a camareira-imigrante-ilegal-dançarina, o cozinheiro negão Crabman, e outros que vão aparecendo.

Claro que muitas vezes o karma age por linhas tortas e Earl tem que se virar para entender a mensagem, as vezes isso significa acrescentar coisas a lista, o que faz cada episódio mais engraçado.

Jason Lee (eu acho ele muito divertido) é Earl, e a trilha sonora é muito boa. Mais uma na minha lista de séries.

27.3.07

Sobe e desce

Sobe e desce

Roger Federer está com o mojo em baixa.... perdeu para Guillermo Cañas pela segunda vez em duas semanas. Ai, caramba hombre!!

Já o mojo de Michael Phelps está subindo conforme suas braçadas nas piscinas de Melbourne. Bateu o recorde mundial dos 200m livre ontem, vencendo um dos meus nadadores preferidos, o holandês Pieter Van den Hooganband (adoro esse nome!). O americano já ganhou duas medalhas de ouro nesse mundial e quer mais 6. Ô Phelps, toma o leitinho de canguru que você consegue!

26.3.07

+ Filmes

+ Filmes

Scoop

A morte é timoneira de uma nau onde ela leva os mortos ao seu destino. Genial, só o Woody Allen com seu conhecimento de mitologia grega para colocar a barca de Caronte num filme.

Então, no tal barco está um jornalista que recebe em primeira mão uma pista sobre o assassino do momento em Londres, o tal assassino das cartas de tarô. Como ele está a caminho do, hum, ok, céu (em homenagem a tia Helo), ele pula na água e resolve nadar até o jornalista vivo mais próximo. É aí que entra Scarlet Johansson , ela recebe a fofoca do além no meio de um número de mágica executado por Woody Allen.

A fofoca é que o assassino é o filho de um lorde, ninguém menos que o lindão Hugh Jackman (australiano e macho-que-é-macho). Claro que ela se apaixona.

Eu acho o Woody Allen um pouco chato. Geralmente gosto mais dos filmes que ele só dirige (com algumas exceções do início de carreira). Acontece que nesse filme ele tem as melhores falas e nada supera ele dirigindo um Smart pelas estradas inglesas.

É um filme legal, boas risadas. A Tia Helo diria 121 “Ai, Jesus!”, pelo barco da morte, pelo Woody Allen, e alguns pelo corpão do Hugh Jackman.


O Bom Pastor

Robert DeNiro dirigiu esse filme sobre o início da CIA, inteligência americana. O filme desenvolve como a espionagem, com muitos detalhes, às vezes lento, mas sempre com descobertas.

Matt Damon (excelente) faz Edward Wilson, aluno recrutado em Yale para um clube secreto que viria a ser a base da CIA. Ele se destaca por sua seriedade, astúcia e boca fechada. Ele fala pouquíssimo, e sorri ainda menos.

Angelina Jolie faz a mulher-que-engravida-depois-de-uma-vez-e-sofre-a-vida-inteira. Primeiro ela é trocada pela segunda guerra quando Edward vai para Europa e só volta após 6 anos. Depois ela sofre com o sigilo do trabalho dele. O filho deles não conhece o pai, mas adora ficar ouvindo atrás da porta.

A vida de Edward é só trabalho, e nessa linha não se confia em ninguém. Como disse o russo “os amigos viram inimigos e os inimigos viram amigos”.

Eu gostei desse filme. A Tia Helo diria 201 “Ai, Jesus!” para o Bom Pastor, mesmo com um título bonzinho desses.

24.3.07

Escutei por aí...

Escutei por aí...

Ela: ai...na primeira saída ele de repente disse "quero casar e ter dois filhos"... argh! Quem quer saber de filhos na primeira saída??

Ele: não sei porque os homens falam isso, melhor ele dizer que queria casar e transar com a mulher até os 90 anos.

21.3.07

Propaganda

Propaganda

O novo filme do Jim Faz Caretas Carrey estréia dia 23 e se chama Número 23. Não sei do que se trata, mas a propaganda do filme diz assim:

O sangue demora 23 seg. para circular pelo corpo
O alfabeto latino tem 23 letras
Nosso corpo tem 23 cromossomos de cada um dos pais
A Terra gira sobre um eixo de 23 graus
A soma do horário da bomba de Hiroshima é 23
A soma de 11/09/2001 dá 23
2 dividido por 3 é igual a 0,666 - o número da besta (hahahahaha, reduziram a dita cuja a zero-virgula-besta)

Nada disso me chamou a atenção, MAS se eles tivessem lembrado que 23 é um dos números malditos de Lost aí sim eu comprava o ingresso.

15.3.07

Par avion

Par Avion


**Para os iniciados em Lost que já viram a terceira temporada**



O que foi Locke voltando a deixar dúvidas na gente sobre suas intenções na ilha? Muito bom!


Christian Shephard e Claire....wow!


Que surpresa aquela do final hein?!?


Agora o Dr. Jack tem toda a minha atenção!


12.3.07

Água?

Água?

Eu tenho uma teoria que a água de Tucuman deixa as mulheres dessa pequena província argentina não muito normais (estou sendo educada).

Não conheço a Argentina, só o aeroporto. Eu conheci poucos argentinos e da minha pequena amostra posso dizer que os mais legais e educados são os de Córdoba, os metidos de Buenos Aires e os malucos, ou melhor, as malucas de Tucuman.

Um amigo trouxe sua namorada de Tucu-city para passar um mês aqui em casa. Um belo dia ela saiu de casa e foi passear na Beira Mar. Quando ela volta o telefone toca e eu atendi, era um cara querendo falar com ela. Ela foi para o canto da varanda e ficou num blá, blá blá.... depois de uma hora ela foi tomar banho e voltou toda pronta olhou pro namorado e disse que ia sair com o fulano. Hã???

Esse namoro era um vai e vem danado. Acontece que mesmo depois de acabado o relacionamento, ela morando na Itália (porque sair de Tucuman é tudo que elas querem) ligou para ele do hospital. Ela resolveu se jogar pela janela, só que era primeiro andar e ela só torceu o tornozelo.

A Veja dessa semana trouxe a reportagem “Assassinas de Tucuman”, de Tomaz Favro, sobre esse lugar onde as mulheres matam mais do que os homens e com requintes de crueldade. É, meus amigos, as mulheres de Tucuman não são partidárias do tradicional envenenamento, elas gostam mesmo é de sangue (e de drama e intriga).

No fim da reportagem diz que “Permanece um mistério por que tantas mulheres em Tucuman estão cometendo crimes dessa natureza.”. Eu estou dizendo que o problema é na água, pode testar!

9.3.07

+ Filmes

+ Filmes

Letra e Musica

Ok, eu confesso. Adoro o Hugh Grant! Poucas pessoas sabem ser ridículas como ele, e conseguem se sair bem. Só ele mesmo para ser pego pela polícia recebendo um, ahhn, serviçinho básico de uma moça (??) de vida dura nas ruas de Los Angeles e fez seus maiores sucessos depois.

Hugh Grant também é macho-que-é-macho. Ele pode não ter a famosa cara-de-quem-bate-em-mulher, não tem o peito cabeludo, não exala tanta testosterona assim, mas ele é um cara divertido, sabe suas limitações e sabe rir de si mesmo.

Dito isso, o filme “Letra e Música” é uma daquelas comédias românticas que divertem. A cena inicial, que é um clipe estilo anos 80 com toda cafonice da época e melodia que gruda na cabeça, é ótima. E Hugh Grant mostra todo o seu rebolado inglês (que ele já tinha dado uma palhinha em Simplesmente Amor). Drew Barrymore faz o par romântico e o filme ainda dá uma sacaneada nas cantoras estilo Britney do momento.

Pop! Goes My Heart...... A Tia Helo também ia gostar, mesmo com a reboladinha ridícula do Hugh, só 5 “Ai, Jesus!” para esse filme.


Filhos da Esperança

Clive Owen (esse sim, macho-que-é-macho de carteirinha) faz Theo, um funcionário do governo inglês num futuro próximo. Futuro onde Londres é suja, palco de uma guerrilha contra imigrantes, onde distribuem pílulas de suicídio e as pessoas não tem mais filhos. A pessoa mais nova no mundo tem 18 anos e é um argentino. Acontece que Baby Diego (o tal cucarachinho) é assassinado e isso causa uma comoção geral.

Theo não está nem aí pro Baby Diego, ele sabe que em 50 anos estarão todos mortos, e ele só quer aproveitar seu dia para tomar seu whiskey, fumar seu cigarro (e um baseado de quebra) e bater um papo com seu amigo Jesper (Michael Caine, ótimo).

Acontece que a ex-mulher de Theo (com quem ele teve um filho que morreu criança) é militante a favor dos imigrantes e pede um favor a ele. Esse favor consiste em levar uma moça imigrante até uma cidade litorânea onde ela vai embarcar num navio. O detalhe é que a moça está grávida, um milagre no futuro caótico e de interesse de todos os grupos, e que ao invés ser uma solução é um perigo.

Daí para frente é um filme de guerra, tipo Resgate do Soldado Ryan, com muita ação crua, tiros e bombas. E você vai querer ficar até o fim.

O pessoal do Oscar esqueceu desse filme, só 3 indicações, edição, fotografia e roteiro adaptado. Acho que não sabiam como classificar: ficção, documentário ou uma assustadora previsão do futuro.

Eu gostei muito. A Tia Helo não ia gostar. “Eles” conseguiram acabar com tudo.... 219 “Ai, Jesus!” para Children of Men.

7.3.07

Conversas iPodianas

Conversas iPodianas

Frejat pergunta: Por que a gente é assim?

Sir Paul responde: Let It be.


e viva o modo shuffle do iPod.

2.3.07

Mais uma

Mais uma


Essa semana eu consegui ver todos os capítulos da terceira temporada de Lost (e que felicidade ver o Sawyer de volta a forma), tento acompanhar Smallville toda semana (falando nisso, cadê o Green Arrow?? traz ele de volta!) e ainda tem o pessoal do Seattle Grace (o preço de ter o McSteamy foi perder o Mc Vet?? que injustiça). Claro que eu dou uma olhada em CSI e todas as outras do gênero. Vejo Hell's Kitchen, Sem Controle, a Oprah, a novela, o jornal, o bbb....ou seja, eu vejo muita tv.



E para aumentar a lista Heroes estreou hoje na tv brasileira (eu resisti o apelo da internet). Oficialmente viciada depois do primeiro episódio. Felizmente o meu super poder é assistir vários canais ao mesmo tempo (com ajuda do inseparável controle remoto).