16.4.14

Analisando a música: Losing My Religion (R.E.M.)

Em 1991 se você não era surdo, ou não estava hibernando, certamente escutou essa música. Acho que até os índios enfiados nos cafundós da Amazônia identificam o bandolim desse hit que catapultou o R.E.M., uma banda alternativa, para o sucesso. E deve ser uma das músicas mais tocadas dos últimos tempos.

Até a minha mãe reconhece os acordes iniciais.

R.E.M. foi formada em 1980 em Athens, Georgia, no sul dos EUA. Michael Stipe, Peter Buck, Mike Mills e Bill Berry lançaram a primeira música em 1981, Radio Free Europe, mas o primeiro album, Murmur, foi em 1983. O R.E.M. ganhou reconhecimento fazendo muitos shows numa época que o circuito alternativo não era muito frequentado e eles conseguiriam uma boa legião de fãs. Arrisco até a dizer que o R.E.M. fez uma ponte entre o pós-punk e rock alternativo. O primeiro sucesso, e pézinho no mainstream, veio com The One I Love (do album Document de 1987). O album seguinte Green (1988) também é muito bom. O som do R.E.M. é bem marcante, do tipo que você facilmente identifica como sendo deles e não só pelo vocal do Michael Stipe. Não é a toa que algumas bandas que vieram depois beberam na fonte do R.E.M.

R.E.M. é um banda que ocupa um espaço considerável no meu iPod. Fui dar uma olhadinha e entre as mais tocadas estão: Be Mine, Lotus, The One I Love, Man On The Moon, Hollow Man, Star 69, Crush with the Eyeliner, It's The End Of The World.

A fama veio mesmo com Losing My Religion, uma música de quase 5 minutos, sem refrão e com um bandolim. Claro que ganhou Grammys (album e música). Alguns fãs mais radicais do rock alternativo, depois do sucesso de Losing My Religion em todos os lugares (radio, MTV, boteco da esquina), deixaram de curtir a banda só porque achavam que tinha virado mainstream, mas isso não abalou a banda. R.E.M., assim como Pearl Jam e algumas outras bandas, tem fãs que acompanham a banda religiosamente. (sim, eu fiz esse trocadilho)

O último album que tenho é o Accelerate de 2008 e gosto bastante.

Losing My Religion é do Out Of Time (de 1991), que foi o album de maior sucesso da banda. Além da analisada da vez, tem Shiny Happy People, Near Wild Heaven, Radio Song e Texarkana.

Eu até prefiro o album seguinte: Automatic for the People (1992). Tem Drive, Man on the Moon, The Sidewinder Sleeps Tonite, e Everybody Hurts -> FATO e um clássico da dor de cotovelo.

Losing My Religion não é sobre religião. Whaaat? Pois é.

O pessoal do forum tem suas teorias: é sobre depressão, é sobre drogas (sempre), é sobre religião (os óbvios), é sobre a fama...

Eu acho, e o próprio Michael Stipe já disse, que é sobre...wait for it... amor não correspondido e obsessão ("I wanted to write a classic song about obsession."). Aliás, dependendo do nível, a obsessão pode sim ser uma religião.

Vamos analisar.

Oh, life is bigger
It's bigger than you
And you are not me
The lengths that I will go to
The distance in you eyes
Oh, no I've said too much
I set it up

Então... ele está apaixonado e acha (quase com certeza) que não é correspondido. Começa a música com um fato: "a vida é maior do que você", ou seja, tentando se convencer que não é o fim do mundo se não for correspondido. Acontece que ele emenda: "e você não é eu", e essa ordem dos fatos é importante porque indica que ele sabe que não estão na mesma página. Aí ele diz que faria qualquer coisa por essa pessoa, mas vê a distância nos olhos dela (a falta de interesse). "Falei demais!", armou uma situação que agora não tem como escapar.

That's me in the corner
That's me in the spot light
Losing my religion
Trying to keep up with you
And I don't know if I can do it
Oh, no I've said too much
I haven't said enough

"Sou eu ali no canto escondido ou sob a luz do holofote." Losing my religion é uma expressão comum no sul dos EUA que significa: cheguei no limite, perdi a compostura, tô com raiva e vou falar uns palavrões. Parece que é comum quando alguém dá um piti o outro dizer "losing your religion". O sul dos EUA é onde tem uma área conhecida como Bible Belt e claro que expressões religiosas devem pipocar por lá para se referirem a tudo. Pode ser também que ele está perdendo fé na situação que, obviamente, não vai acabar como ele quer. Aí ele repete: "Falei demais!" e emenda "Mas não falei o bastante". Ele está tentando deixar uma dica, mas parece que não esta sendo eficiente.

I thought that I heard you laughing
I thought that I heard you sing
I think I thought I saw you try

Aqui é ele tentando decifrar o que a outra pessoa está pensando, ou o que ele acha que ela está querendo dizer. Por isso nada é afirmativo, é tudo achismo: "acho escutei você rir, acho que escutei você cantar.". E a máxima da dupla dúvida: "acho que achei que vi você tentar."
Amigo, está tudo na sua cabeça.

Every whisper
Every waking hour
I'm choosing my confessions
Trying to keep an eye on you
Like a hurt, lost and blinded fool 
Oh, no I've said too much
I've set it up

Cada sussurro e a cada hora que está acordado ele está escolhendo a dedo o que vai confessar para a pessoa amada. Como bom stalker, está de olho nela, e ao mesmo tempo se sente um idiota perdido, cego e machucado. "Ih, falei demais!", mas meio que colocou as cartas na mesa.

Consider this
Consider this 
The hint of a century
Consider this
The slip 
That brought me to my knees
Failed
What if all these fantasies
Come flailing around
Now I've said too much

E no momento #ficadica: "Pensa bem, considere essa a indireta (direta) do século. Tudo isso que eu disse me deixou de joelhos, fracassado. E se todas essa fantasias estão agitando tudo na minha cabeça?" Agora ele falou demais mesmo.

That's me in the corner
That's me in the spot light
Losing my religion
Trying to keep up with you
And I don't know if I can do it
Oh, no I've said too much
I haven't said enough

I thought that I heard you laughing
I thought that I heard you sing
I think I thought I saw you try

Ele dizendo: "Estou aqui, olha para mim, estou no limite da razão, tentando te dizer algo importante..." mas parece que a pessoa amada ou não entende a dica, ou entende muito bem e está fazendo cara de paisagem.

But that was just a dream
Try, cry, why, try
That was just a dream
Just a dream

E no fim, tentando disfarçar, ele conclui que foi só um sonho. (amigo, eu disse que estava tudo na sua cabeça) Para que tentar, chorar, etc. Só. Um. Sonho. Acorda que a fila anda.

O video é um clássico. Tem elementos religiosos (tem santo, tem anjo sarado, tem hindu, tem leite derramado, tem Michael Stipe fazendo a dança da chuva) que até podem dar a idéia que é uma música sobre religião, mas é tudo idéia da cabeça do diretor Tarsem Singh junto com pitacos do Michel Stipe. O Tarsem Singh é um diretor indiano (por isso uma vibe bollywood no video) que trabalha muito bem o conceito visual (já histórias nem tanto). Ele dirigiu: A Cela e Mirror Mirror (o da Branca de Neve com a Julia Roberts). Eu gosto muito desse video, inclusive de todo o nonsense.

Vamos bater palmas e dançar, sem perder a religião.




27 comentários:

  1. Boa análise!
    Estava interpretando essa canção pelo caminho errado.

    Abraço

    ResponderExcluir
  2. valeu jonathan! até fiquei curiosa para saber qual era a sua interpretação.

    ResponderExcluir
  3. Marcos5:27 PM

    Muito bom, depois de mais de 20 anos, entendo a letra, rs. Epior, me identifico, lol.

    ResponderExcluir
  4. Podia falar das pinturas que aparecem no clipe, muito bem feito e idea do diretor citado. Acho que tem três cenas que representam pinturas do pintor Caravaggio. Além de remeter a outros pintores famosos.
    Adorei o texto..super ótima a leitura. :)

    ResponderExcluir
  5. @Jucris, tem várias referências nesse video: pinturas, posters soviéticos, imagens sacras, fotografos famosos, etc. É tanta coisa que teria que fazer um analisando o clipe detalhado. :)

    ResponderExcluir
  6. Eu acho que essa música tem uma critica bem subliminar em relação a fé, religião e etc... A letra trás uma idéia de que é impossível ser como Deus quer ``tentando me manter com vocÊ e não sei se consigo fazer isso diz a letra"" QUando ele diz oh não eu falei demais " dá a idéia de estar falando em algo sagrado, algo que não poderia ser falado" Enfim ... a letra fala de sussurros dando idéia de rezas ou orações... a letra também fala sobre joelhos no chão, ou seja ela remete muito a trejeitos de crença, de fé.... O clip então deixa tudo mais óbvio, por exemplo, tem partes que mostram um senhor com a costela machucada, mesmo lugar onde Cristo foi transpassado.... A critica no meu entendimento fica clara, quando mostra projetos de asas, dando a idéia de algo montado, a peruca caindo dando a idéia de algo falso, não real... bom, este é meu entendimento sobre a letra, acredito que ele esteja falando de Cristo e não de uma mulher.... enfim, acho que ele é ateu ... kkkkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Faz sentido seu ponto de vista

      Excluir
    2. Muito Bom! Está mais do que certa a sua interpretação. É claro e evidente a crítica, sobretudo, ao cristianismo. Ateu ele não é, mas um anticristão, sim

      Excluir
  7. @Berg, não sei se ele é ateu.
    Como eu disse, acho que a música se refere a religião no sentido que devoção a uma pessoa também pode ser uma religião por isso todas as referências religiosas (inclusive no video), quando ele fala em 'Losing my religion" ele também pode estar dizendo "estou perdendo a pessoa pela qual sou devoto". Não acredito que seja uma crítica direta. Enfim, são muitas interpretações possiveis. :)

    ResponderExcluir
  8. A musica apresenta uma enxurrada de conceitos religiosos, em um momento ele fala da dica do século enquanto o cara cutuca a ferida. Fica muito evidente que a dica do século é o ceticismo. Ele também age a musica toda como se tivesse alguém que sabe tudo que ele faz(Deus), assim como fala de fantasias. Honestamente a musica representa um conflito entre a sua sexualidade gay e a sua religião cristã é justamente por isso que ele escolhe as confissões.

    ResponderExcluir
  9. O Clipe fala claramente, ou melhor, subliminarmente sobre Religião e Fé. A imagem do Anjo caído deixa clara essa Analogia. Não sabia que ele era gay. Isso explica muita coisa sobre o conflito vivido na letra da música. Coisa de gênio!

    ResponderExcluir
  10. Mandou bem bro, Poucas vezes vi alguém interpretar uma letra, com tanta precisão e com didática pra explicar o que conseguiu apreender como você mano; ainda prefiro o Radio Free Europe que eu já ouvia nos finais dos 80. Caraca, tô ficando velho haha. Valeu

    ResponderExcluir
  11. @ Fred

    obrigada!

    que velho nada! hahaha

    ResponderExcluir
  12. Obrigado pelo seu comentário centrado e sóbrio. Nos ajuda de fato, a manter nossa religião! Não é que a música tenha várias interpretações. É a forma poética, deliberadamente concisa que permite a expansão dos sentidos a um nível muito maior, do pessoal para o social ou até para o religioso. Parabéns.

    ResponderExcluir
  13. Anônimo11:29 AM

    E eu achando que era a única a ter problemas com a interpretação rs. !!

    ResponderExcluir
  14. Olá... Resolvi dar meus pitacos rsrsrsrs... A linha da explicação é sensacional, porém creio que, interpretando de maneira subjetiva, o início traz mais informações: "Oh, life is bigger, It's bigger than you and you are not me" - Creio que em "and you are not me" ele quer dizer "e você não está em mim (dentro da minha confusão, da minha mente, dos meus pensamentos - algo como "você não está na minha pele pra saber o que eu estou passando"... - Sei lá, só acho... Amei a parte da "indireta mais direta..." - Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Francisco!
      Obrigada!
      Pode ser isso mesmo, inclusive acho que foi isso que tentei dizer. :)
      Pitacos são sempre bem vindos.

      Excluir
  15. Cláudio oliveira Silva (Camarada) Facebook1:04 PM

    Eu acredito que essa música se trata sobre Judas. Ele diz que está sob os holofotes perdendo a sua religião, exatamente como aconteceu com Judas, e lembrando que Judas traiu pq lhe foi de certa forma imposto a ele. Enfim, todo o resto me leva a crer nisso, por exemplo quando le diz que pensou te lo visto tentar, e em determinado momento ele pergunta "porque?" Porq de Jesus ter programado sua própria morte

    ResponderExcluir
  16. Estudo psicanalise e amo muito essa musica ....pra mim ele se refere ao conflito sexual e sua religiao.."losing my religion" expressao norte americana que quer dizer cheguei ao meu limite.. vejo essa musica mais proxima a psicanalise quando ele se refere "acho q falei demai" um termo no terapia da psicanalise capaz de revelar o inconciente...

    ResponderExcluir
  17. Anônimo12:24 PM

    Amei esta interpretação. O q na verdade sempre considerada a mesmíssima interpretação, fato q me deixou completamente aliviada qdo me deparei com a abordagem em questão.

    ResponderExcluir
  18. Anônimo2:01 PM

    Bom, sim a expressao losing my religion é uma expressao que significa (perdendo tudo o que eu acreditava) entre outras traduçoes, mas acho q a musica foi sim uma critica a religiao, o video so reforma mais ainda essa ideia, claro que a musica se trata de amor, mas isso nao quer dizer que ele nao possa colocar uma critica no meu, claro fica a criteirio de cada um que interpreta, mas a passagens como (De joelhos, fracassou
    E se todas essas fantasias
    Se tornassem reais
    Agora eu falei demais)

    (escolhendo minhas confeiçoes)

    entre outras me parecem uma critica religiosa, mais sem a ultima palavra do compositor nao podemos afirmar nada, nem eu e nem o autor desse artigo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo2:08 PM

      E mesmo nao sendo uma critica a religiões é de fato uma critica a crenças sem duvida, seja essas crenças no amor, em deuses ou seja o que for.

      Excluir
    2. Anônimo2:18 PM

      Nao se esqueçam tbm das inúmeras blasfêmias do video, com pinturas hereges e representaçoes de senas religiosas de forma claramente critica.

      Excluir
  19. Anônimo2:25 PM

    http://nerdgeekfeelings.com/simbologia-de-losing-my-religion-do-rem/

    ResponderExcluir
  20. Fantástico ler tantas considerações sobre uma mesma obra. Isto mostra que há nela algo mais do que a simplicidade com a qual estamos tão acostumados, e uma genialidade subliminar. Sou super fã do R.E.M e lamento muito o fim da banda. Espero que seja apenas uma pausa pra respirar, pois eles são talentosíssimos sob todos os aspectos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. também sou muito fã do REM. :)

      Excluir