30.6.16

Analisando a música: Everybody Wants To Rule The World (Tears For Fears)

A Thea deixou um comentário pedindo para analisar uma música do Tears For Fears. A banda vem fazer shows no aqui no Brasil em outubro e como gosto de algumas músicas deles achei ótima idéia.

O Tears For Fears é uma banda inglesa formada em 1981 pelo Roland Orzabal e Kurt Smith. Os dois eram amigos de adolescência, formaram um duo e depois uma banda. Li na internet que a primeira banda se chamou Graduate, a segunda History of Headaches (achei ótimo esse nome!) e finalmente Tears For Fears.

O primeiro album deles foi The Hurting, de 1982, que tem: Pale Shelter, Change e Mad World. Esse primeiro album foi bem, mas o sucesso internacional da banda veio com Songs From The Big Chair, 1985, que tem: Shout, Head Over Heels, Mother's Talk e a analisada da vez.

Gosto muito do terceiro album deles, The Seeds of Love (de 1989). Tem músicas mais elaboradas e teve hits como Woman In Chains, Advice For The Young At Heart e Sowing The Seeds of Love. Desse album também destaco de Badman's Song e Year of the Knife.

Vi o Tears For Fears tocando ao vivo na Apoteose no Rio de Janeiro em 1990, e gostei muito do show, eles são muito bons ao vivo. Trouxeram a Oletta Adams, vocalista maravilhosa e pianista que faz um dueto com o Roland Orzabal em Woman in Chains e Badman's Song, e foi um upgrade total em todas as outras músicas.

Os dois se separaram em 1991, mas o Roland Orzabal seguiu com outros músicos usando o nome da banda e chegou a lançar mais dois albuns.

Se juntaram outra vez em 2000, retomaram a parceria e lançaram um disco em 2005: Everybody Loves a Happy Ending. Como eu parei de saber o que eles faziam depois que se separaram lá em 1991 (e tinha abraçado o rock grunge) não conheço nada desses outros albuns mais recentes.

Tenho pelo menos 10 músicas dos primeiros albuns no iPod e o shuffle quase sempre manda uma na hora da corrida.

Foi difícil escollher uma música, mas nesses tempos de Brexit, eleições nos EUA com Trump na parada, Isis aterrorizando e situaçao confusa por aqui, achei que esse sucesso de 1985 cai como uma luva nos dias de hoje.

Muitas das músicas do Tears For Fears tem essa temática de colocar indignação para fora e reclamar de tudo que está acontecendo. De forma pop, claro. Vide Shout com "in violent times, you shouldn't have to sell your soul", Sowing the Seed of Love com "Politician grannie with your high ideals, have you no idea how the majority feels, we're fools to the rules of a government plan" e até Woman in Chains "it's a world gone crazy, keeps woman in chains."

Everybody Wants To Rule The World é sobre isso mesmo, gente que quer dominar o mundo colocado de forma poética e dançante com uma batida pop anos 1980.


Welcome to your life
There's no turning back
Even while we sleep
We will find you acting on your best behavior
Turn your back on Mother Nature
Everybody wants to rule the world

Roland e Kurt dividem os vocais nas músicas e essa é cantada pelo Kurt Smith. Tem gente no Forum que diz que essa música é sobre ou inspirada no 1984 do Geroge Orwell, não achei nada confirmando isso mas o livro também é sobre poder e controle dos governos. A banda diz que essa música surgiu rapidinho depois de trabalharem por muito tempo em Shout. (Acho Shout uma daquelas músicas que começa bem mas fica chaaataaaa - vou fazer um top 5 dessas músicas)

Acho essa música um pouco confusa, como se eles quisessem usar a frase "Everybody wants to rule the world" de qualquer jeito e colocaram outras coisas só para preencher espaço da música. Mas vamos ver o que diz o resto da letra.

A música já começa com uma frase fato: seja bem vindo a sua vida, agora não tem mais volta. Não sei quem é esse "nós" da música, mas é quem observa a todos e sabe que mesmo quando nós, humanos, estamos no nosso melhor comportamento podemos dar as costas a mãe natureza. E assim surge o lixo, a sujeira, as brigas, desentendimentos e guerras.

Lado negro da humanidade. Todos querem dominar o mundo.

It's my own design
It's my own remorse
Help me to decide
Help me make the most of freedom and of pleasure
Nothing ever lasts forever
Everybody wants to rule the world

Então ele diz que é seu próprio desenho/criação e também seu arrependimento. O que? Acho que o estilo de vida. E pede ajuda aos universitários para decidir e aproveitar o máximo da liberdade e prazer. Nada dura para sempre. FATO.
Temos uma pessoa que quer mudar mas está sem coragem.
Acontece que todos querem conquistar o mundo e cada um sabe da sua vida.

There's a room where the light won't find you
Holding hands while the walls com tumbling down
When they do I'll be right behind you
So glad we've almost made it
So glad they had to fade it
Everybody wants to rule the world

"Tem um quarto onde a luz não vai te encontrar" é uma forma poética de dizer quarto escuro. OU uma forma de dizer que tem como escapar da luz (que luz maligna é essa?) mas que as paredes fatalmente irão cair. Pelo menos não vai estar sozinho.
No modo filosófico pode ser que a pessoa tenha idéias (ou sonhos) que fogem do padrão, da sociedade, e nesse quarto escuro pode contemplá-las, mas que um dia terá que desistir de algumas delas para continuar a vida coletiva.

Todos querem mandar no mundo.

I can't stand this indecision
Married with a lack of vision
Everybody wants to rule the world

Mas não aguenta essa indecisão casada com falta de visão. Rimou. Resumindo: em cima do muro.

Say that you'll never never need it
One headline, why believe it?
Everybody wants to rule the world

"Diga que nunca vai precisar." De que? Conquistar o mundo?
Uma manchete, por que acreditar? Isso é verdade, do jeito que andam as notícias não dá para ler só a manchete sem ler o resto, vai que é pegadinha tipo Meia Hora.

All for freedom and for pleasure
Nothing ever lasts forever
Everybody wants to rule the world

Tudo pela liberdade e prazer, tentar ser feliz. Porque com essa briga toda pelo poder nada dura para sempre mesmo.


Um video clássico dos anos 1980. Adoro a coreografia que os dois caras fazem no posto de gasolina.


27.6.16

Game of Thrones 6a temporada

Uma temporada Girl Power. Yeah!

COM SPOILERS.

E lá vem textão.

Avisei.

Kings Landing

A Cersei fez o walk of shame na temporada passada mas ainda teria que passar por um julgamento. Ela passou boa parte da temporada sentada tomando vinho, tendo ódio do Pardal e não acreditando que teve um filho tão bananão quanto o Tomen.

Cersei e Jamie declararam seu amor incestuoso eterno e ele foi para outra parte de Westeros conquistar alguns castelos e aliados. Jamie encontrou Brienne (adoro a amizade sincera deles), tiveram um papo amigo, concordaram em discordar e ele deixou ela fugir num barco.

A Margaery decidiu seguir as regras do Pardal, se fez de boazinha para livrar seu irmão do porão e até mandou a Vó Tyrell embora com medo que o Pardal fizesse algo com ela.

Lembrando que a Vó Tyrell tentou junto com Jamie e Cersei se livrar do Pardal mas perdeu o jogo quando o Reizinho Bananão deu apoio a bancada religiosa.

A Cersei estava crente que ia se safar no julgamento por batalha usando seu fiel escudeiro Montanha mas seu filho, o Reizinho Bananão, decidiu mudar as regras e ela seria julgada pela bancada religiosa.
"Oh, no you didn't!" disse Cersei.

Cersei, com ajuda das crianças de Neverland, apenas pegou todo resto de wildfire (uma espécie de geleca verde muito inflamável) e BOOM! explodiu o templo com toda bancada religiosa dentro. De quebra matou também a Margeary, o irmão e o pai dela, acabando assim com os Tyrell (menos a Vó Tyrell que foi buscar vingança com a família do Oberyn, mas isso fica para a próxima temporada.)
Reizinho Bananão foi digno de se jogar pela janela e a Cersei, depois de uns goles de vinho, sentou no trono de ferro.

Queen Cersei Lannister.

Jamie voltou da colônia de férias para ver tudo que a Cersei aprontou.

"Cersei, mermã, tu é doida ou tu te faz?", JamieOG.

Ele não está nem um pouco feliz, afinal descobrimos que ele matou o Rei Maluco Targaryan porque ele ia explodir a cidade. Então, Jamie, o que você vai fazer?

Enquanto isso Cersei senta coroada no trono tomando uns bons drinks.

(Acontece que ela não sabe o que a espera.)


O que me leva ao Núcleo Mother of Dragons.

Dany (a Mother of Dragons) terminou a temporada passada sendo abduzida pelo povo dos cavalos do seu primeiro marido. Chegando na vila ela diz que foi esposa do Drogo e os homens decidem que ela tem que morar com as viúvas num retiro. Bem, eles não conhecem a Dany, ela disse No. No. No. e mostrou quem tem poder queimando o chalé com todos os líderes dentro e saindo ilesa. Depois ela pegou seus dragões e foi para Mereen acabar com a bagunça que o Tyrion (nosso anão favorito) meio que começou.

Dany e Tyrion fazem uma ótima dupla. E Tyrion com o Careca Eunuco também.

Aí a Dany recebeu o Theon Greyjoy e sua irmã Yara.

Pausa para contar que teve quase que um episódio inteiro onde a Yara estava quase para ser rainha das Ilhas de Ferro mas o tio chegou e melou tudo. Aí ela pegou o irmão e os barcos e foi atrás da Dany para fazer uma aliança. (A Yara mostrou para o Theon que não precisa ter um wurst para ser feliz.)

Dany sentiu o clima esquentar com a Yara, curtiu e disse sim para os navios.

Dany se despediu do Sir Jorah e do Daario, seu namorado lindão, e foi com Yara, Theon, Tyrion, Tradutora, Careca Eunuco, exército de eunucos, povo dos cavalos, mil barcos e três dragões rumo a Westeros.

Dorme com essa Cersei.


Os Starks

Bran. Começou a temporada fazendo seu estágio na Netflix com Corvo de três olhos dando voltas pelo passado. Acontece que o Bran quis acessar canais sozinho e acabou encontrando o rei dos White Walkers que descobriu onde ele estava e foi lá com o exercito de zumbis. Na fuga o Corvo morre mas não sem antes baixar todo seu conteúdo na cabeça do Bran passando o bastão de Corvo. Nisso descobrimos que Hodor siginficava Hold The Door, e ele segurou a porta mas morreu para o Bran fugir. Momento lágrimas, todos choram morte de Hodor. Bran reencontra o tio Benjen que tinha sumido na 1ª temporada e o tio o ajuda a chegar mais perto da muralha.

Arya. Na temporada passada ela ficou cega e nessa temporada começou sendo pedinte na rua e de vez em quando era atacada por sua colega de treino. Arya conseguiu recuperar a visão, voltou a escola de assassinos e recebeu sua primeira missão para matar uma atriz que fazia a Cersei numa peça (muito engraçada mas nada verossímel). Acontece que Arya viu que a mulher era gente boa, não conseguiu matá-la, não concluiu o curso na escola de assassinos, pediu para sair, mas nessa escola é matar ou morrer então levou umas facadas da sua colega. Como a Arya é a Stark com mais culhões ever, ela se recuperou relâmpago dos ferimentos, fugiu da sua colega que corria estilo T-1000 e lutaram no escuro. Arya ganhou claro e com isso ganhou também o direito de riscar livremente os nomes da sua listinha de revenge. Ela foi direto no Frey e seus filhos. Fez uma torta de dedinhos. PAH!

O Hound não é Stark mas vai nesse bolo. Todos achavam que ele tinha morrido quando a Arya o abandonou depois da briga com a Brienne lá na 4a temporada, mas não, ele sobreviveu e foi morar com o hippies de Westeros. Como nada na vida dele é fácil, os mercenários mataram os hippies (depois de um discurso contra violência do lider deles) e o Hound voltou a ser uma pessoa que corta a cabeça dos outros fora.

Outro aleatório que cabe aqui é o Sam. Ele foi até a casa de sua família só para ser humilhado pelo pai, criou coragem, roubou a espada de aço valeriano e foi atrás de seu sonho que é ler numa biblioteca. Tudo isso junto com Gilly e seu filho.


Jon Snow e Sonsa.

Jon Snow morreu, mas voltou. E voltou mostrando malhação em dia. A Bruxa Ruiva o trouxe de volta (e de quebra descobrimos que ela é uma velha de 100 anos). Jon Snow voltou dos mortos determinado a largar tudo e viver uma vida livre leve e solta, então depois de matar quem o matou ele estava fazendo as malas quando a Sonsa chegou com a Brienne.

Os meio-irmãos que não se viam desde a primeira temporada se encontraram. Finalmente!

A Sonsa, que sofreu um bocado nas últimas 2 temporadas, queria vingança contra o Ramsay e disse para o Jon Snow que com ele ou sem ele iria reconquistar Winterfell. You go girl!!

Jon Snow, que sempre cai de paraquedas nessa posição de liderança que ele nunca quer, acata a decisão de Sonsa e vai lutar.

Sonsa mandou Brienne falar com seu tio Blackfish, onde ela encontrou o Jamie Lannister. Não posso deixar passar a paquera da Brienne com o Ruivão Wildling, shippei.


Jon Snow e Sonsa foram juntos atrás de aliados para enfrentar o Ramsay Bolton (que a essa altura tinha matado o pai e o irmão bebê para ser o dono de Winterfell).

Nesse momento conhecemos a melhor personagem da temporada: Lady Lyanna Mormont. Concisa, direta, fala verdades, é fiel, sabe escrever cartas, é bem assessorada e sabe encarar como ninguém. E ela só tem 10 anos! Imagina quando ficar mais velha. Não gostava tanto de uma personagem desde o Oberyn (RIP), tenho até medo de gostar dela e ela kaput na próxima temporada.



Lady Mormont entregou seus 62 soldados a Jon Snow e Sonsa e junto com alguns outros foram lá ter uma conversinha com Ramsay Bolton.

Ramsay apareceu lá na 3a temporada como um torturador do Theon Greyjoy e de lá para cá ele se tornou um dos melhores vilões da série, um psicopata sádico imprevisível.

Jon Snow queria lutar one on one com Ramsay e poupar os seus homens, mas Ramsay, como bom covarde que é, não aceitou e escolheu a guerra. Sonsa tentou alertar Jon Snow a não fazer o que o Ramsay queria, que ele é um sádico que gosta de torturar pessoas, yada, yada, yada, mas Jon Snow achava que tinha tudo dominado, mas todo mundo sabe que "You know nothing Jon Snow.".

No dia da Batalha dos Bastardos o Ramsay chegou com Rickon, o baby Stark, que estava sumido desde sei lá qual temporada, e o colocou para correr no campo enquanto atirava flechas. Baby Stark não conhecia a tática do zig zag e morreu com uma flechada antes que Jon Snow chegasse até ele.

E aí tivemos a cena mais bonita da temporada, talvez da série inteira.


E que batalha sensacional! E sangrenta. Depois de sofrer um bocado, quase morrer (outra vez) sufocado, Jon Snow e seus homens foram salvos pelo exército do Littlefinger que foi chamado pela Sonsa. Aí Jon Snow conseguiu chegar até Ramsay Bolton, encheu ele de porrada mas como é um gentleman deixou o golpe final (e cachorros famintos) para Sonsa. Well done Starks.

E aí tivemos uma reunião com as famílias do Norte (e os Wildlings) onde a Lady Mormont (sempre ela) mostrou a todos quem deve o que a quem e Jon Snow acabou sendo declarado Rei do Norte. (Notícia que ele recebe com surpresa de quem não espera receber um Oscar. "Eu? Tem certeza? Ai, gente, não esperava.")

O Jon Snow é sempre relutante em ser líder apesar de sempre ser escolhido para essa posição. Ele é fiel, ótimo guerreiro, tem sangue nos olhos quando atacam a família, mas adora uma conversa, é o Rei da DR, evita o confronto. Acontece que ele sabe o perigo maior que são os White Walkers e sabe que todos precisam se unir. Aguardo ansiosamente o encontro dele com a Mother of Dragons.

(Um parenteses para falar do Sir Davos que foi um aliado ótimo. E ele finalmente descobriu que a Bruxa Ruiva foi quem deu a idéia de queimar a garotinha fofa na temporada passada e pediu justiça ao Jon Snow. A Bruxa Ruiva, que passou a temporada deprimida, agora vai ter que ir para o sul.)

Aí descobrimos, através de uma visão do Bran, que Jon Snow é filho de Lyanna Stark, irmã do Ned Stark, com, provavelmente, o irmão da Mother of Dragons. O Mindinho tinha contado essa história de amor entre a Stark e o Targaryen na temporada passada mas ninguém sabe que eles tiveram um filho. (Bem, segundo a visão do Bran, a parteira que estava na torre e o amigo do Ned Stark sabem, mas ninguém sabe onde eles estão.)


Então temos: Jon Snow herdeiro de um Targaryen e de uma Stark sendo Rei do Norte com Sonsa ao seu lado (mas ela deve favores ao Littlefinger).
Só tem um lobo sobrando. (ou dois? nem lembro mais.)
White Walkers chegando perto.
Cersei sentada no trono de ferro bebendo vinho.
Arya se vingando de tudo e todos.
Mother of Dragons chegando lindamente com seus dragões em Westeros pronta para qualquer negócio.

Vem 7a temporada!

Ah, e para terminar esse post do tamanho da muralha: O FUC*&NG INVERNO CHEGOU!



(Da 1a a 3a temporada, 4a temporada e 5a temporada)

21.6.16

Pedalando na Beira Mar

Finalmente uma ciclofaixa/ciclovia na Beira Mar de Fortaleza. Melhorou muito a minha vida de ciclista.



Essa ciclovia era para ter sido feita quando reformaram o calçadão na década de 1990, mas além de colocar uma cerâmica péssima e escorregadia em dias de chuva, esqueceram que pessoas gostam de pedalar a beira mar.

Em 2014 começou a ciclofaixa do domingo e o número de ciclistas aumentou muito. Pessoas que adotaram as bikes como meio de transporte. De lá para cá também aumentou o número de ciclofaixas pela cidade, mas a da Beira Mar não vinha.

A prefeitura tinha um novo projeto para o calçadão da Beira Mar que incluía uma ciclovia mas acho que a demanda cresceu rapidamente e resolveram fazer logo essa ciclovia de mão dupla. (E já começaram a reforma do calçadão)



A ciclofaixa da Beira Mar também veio para resolver o problema dos corredores da noite. De manhã cedo colocavam os cones para as pessoas correrem no asfalto (já que a cerâmica do calçadão é péssima), mas a noite era uma bagunça com pessoas e bicicletas andando an contra-mão do fluxo de carros do lado contrário do calçadão (só vendo a bizarrice para entender). Sem contar os ciclistas sem noção que pedalavam no calçadão porque tinham medo dos carros. Agora todos podem usar a ciclofaixa que é compartilhada.

a regra é clara


Como já disse em outros posts, Fortaleza é uma ótima cidade para pedalar. É uma cidade concentrada, as distâncias são curtas, tem algumas ladeiras mas nada que uma bike com uma marcha leve não resolva. Por mais que a prefeitura, construtoras e algumas pessoas derrubem as árvores da cidade ainda é relativamente arborizada e tem bastante sombra nas ruas. É uma cidade quente? Sim, mas tem muito vento e como as distâncias são curtas quando você começa a suar já chegou. Os motoristas (de carro) estão se acostumando com os ciclistas e respeitam. Já os motoqueiros não, esses inclusive adoram invadir a ciclofaixa achando que ali é espaço deles, mas essa é uma reclamação para outro dia.

Alguns ciclistas também precisam se educar e espero que com o tempo teremos um transito civilizado de bicicletas. 

14.6.16

+Filmes

Os dois últimos blockbusters da Marvel. Com Spoilers. Avisei.

Captain America: Civil War

Depois do último filme dos Vingadores, o Capitão America e Homem de Ferro juntaram uma turminha com a Viúva Negra, Falcão, War Machine, Visão e a Feiticeira Escarlate. Essa galera está aprontando muitas confusões pelo mundo ajudando a pegar bandidos. Para ser exata eles estão na Africa numa missão secreta (mas não muito) para impedir terroristas de roubar uma arma química.

Antes disso podemos ver o Soldado Invernal saindo para uma missão em 1991, mas isso só vai ter consequências depois. O Soldado Invernal depois de 1991 deve ter voltado para o gelo porque no filme 2 do Capitão America ele não envelheceu nada.

Então eles estão lá na Nigéria já em perseguições de carro e pequenas explosões quando o Caps vê o Bucky (O Soldado Invernal) e aí entra no modo nostálgico e perde a atenção. Para salvá-lo a Feiticeira Escarlate tira a bomba do caminho mas destrói o andar de um prédio. Eles pegam o vilão, mas morre um bocado de gente.

Aí o Governo Americano (aka polícia do mundo) vê que pessoas com poderes (ou com apetrechos tecnológicos especiais) podem causar muito estrago, precisam ser "orientados" e com o Tratado de Sokovia (a cidade destruída no Vingadores 2) decide colocar umas regras e ordem na parada. Acabou essa coisa de destruir NYC e ficar por isso mesmo. Resumindo: só pode agir com selo de aprovação da ONU.

Tony Stark, que já foi rebelde mas com o tempo tomou muita pancada e aprendeu algumas coisas, concorda que tem que ter consequências e diz que "Ok, aceito as regras.", MAS o Capitão América diz "Na na ni na não. Não assino essa papelada de jeito nenhum.". Caps odeia burocracia e acredita na liberdade, mesmo que seja para explodir coisas.

No dia do assinar os papéis tem um atentado (que dizem ser do Soldado Invernal mas não foi) e o rei de Wakanda (país fictício riquíssimo da Africa) morre e o filho dele quer vingança. Muito prazer Pantera Negra.

Steve Rogers, o Capitão América, que agora é um fora da lei, está procurando o Bucky pela Europa.

Pausa para dizer que o Capitão America é um nostálgico. Na hora que ele recebe notícia que a Peggy Carter (Adoro. Agent Carter é uma das melhores séries.) subiu no telhado ele fica desorientado. O mundo dele (o passado) está sumindo e por isso o Bucky é meio que uma obsessão.

(Aliás, o filme inteiro é sobre amizade e vingança)

A Feiticeira Escarlate está em casa sendo vigiada pelo Visão e rola uma paquera entre os dois, mas ela consegue fugir com a ajuda do Hawkeye.

O Homem de Ferro e Capitão America tem um papo cabeça mas não conseguem dizer "Agree to disagree.".

E para ajudar a colocar lenha na fogueira o vilão da vez, Zemo, é apenas um ex-agente da inteligência dede Sokovia que perdeu a familia nos destroços do filme passado. E ele quer vingança. Ele ativa o modo vilão do Soldado Invernal. Bucky fica loka e o Capitão America tenta lembrar que são amigues.

Aí temos a divisão dos Vingadores. De um lado: Caps, Bucky, Falcão, Feiticeira, Hawkeye e Homem Formiga (veio dar uma forcinha). Do outro lado: Homem de Ferro, Viúva Negra, War Machine, Visão, Pantera Negra e Homem Aranha (bem, Garoto Aranha né?)

(Mais uma pausa para dizer que os poucos minutos do Homem Aranha nesse filme são melhores que todos os outros filmes dele juntos.)

Aí tem a cena toda no aeroporto, pancadaria excessiva mas divertida e bem feita. No fim Caps e Bucky fogem mas o resto fica preso. Tony Stark coloca pressão nos outros para saber onde Caps e Bucky foram e descobre que foi para Sibéria onde o Zemo foi atrás dos outros soldados invernais (era um programa da Hydra).

Quando a gente acha que vai ficar tudo bem, o Tony Stark descobre que o Bucky matou seus pais (a tal missão de 1991) e fica #xatiado mesmo ao saber que o Caps já sabia de tudo. Steve acredita que Bucky é gente boa e só faz besteira quando ativam o modo Soldado Invernal (através de uma sequência de palavras) por isso merece perdão. O amor é lindo.

Olha, Tony, claro que o Steve ia escolher o Bucky.

Felizmente o Pantera Negra chega para acabar com a palhaçada capturando o Zemo. Se bem que o Zemo conseguiu o que queria porque Caps e Homem de Ferro dificilmente serão BFFs outra vez.

Caps e Bucky vão para Wakanda e com a ajuda do Pantera Negra o Bucky volta para o gelo até alguém descobrir como desprograma o Soldado Invernal.

Gostei desse filme. Ainda acho Captain America: The Winter Soldier (o segundo filme do Caps) o melhor filme da Marvel, mas esse chegou bem perto.

A Tia Helô ia ficar confusa. Acho que ela ia ficar do lado do Caps só porque ele é bom moço (ou pelo menos faz esse bem esse papel). 731 "Ai, Jesus!" para tanta confusão.

Só mais uma coisa. Pessoa que achou que fazer a Agente 13 ser sobrinha da Peggy Carter ia dar química com o Caps. Não. Apenas não. Química mesmo só entre Steve e Bucky, ou Stucky como são conhecidos.


X-Men: Apocalypse

Como em todos os outros filmes dos X-men, eles estão sempre de picuinha entre eles mesmos.

Nesse filme o tal do Apocalypse, que é um mutante que absorve os poderes de outros mutantes e vai ficando super poderoso, está lá no Egito antigo roubando a beleza do Oscar Isaac quando é traído e acaba soterrado sem antes destruir o mundo para começar do zero.

Pula para os anos 1980 onde: Cyclope descobre seus poderes e vai parar na mansão escola do Prof. Xavier, Jean Grey já está lá e é a esquisitona do high school (também, com aqueles poderes), e o Fera é assistente para assuntos especiais do Prof. Xavier.

O Magneto está lá tranquilão trabalhando numa metalúrgica (óbvio), morando com esposa e filha na Polônia.

Uns egipcios estão futucando num buraco e despertam o Apocalypse que sai andando pelo Cairo, encontra a Tempestade e aprende tudo que aconteceu nos últimos séculos pela TV.

Apocalypse (que infelizmente é um Oscar Isaac azul) precisa juntar sua entourage para poder destruir o mundo e começar do zero. Ele pega a Tempestade que já está ali mesmo, a Psylocke decide se juntar porque vê potencial, o Anjo vai porque estava derrubado mesmo, e o Magneto tem a familia morta e se revolta.

Como o Apocalypse é o mutante do make over, muda o look da Tempestade (cabelo branco é styling dele), da Psylocke (que é só um maiô), do Anjo (que ganha umas asas de aço), e o Magneto um capacete bacana.

A Mística aparece na mansão para dizer que o Prof. Xavier precisa achar o Magneto porque ele se meteu em confusão e o bicho vai pegar.

Cyclope, Jean Grey, Noturno e mais uma que esqueci quem é fazem o Ferris Bueller, roubam um carro e vão passear no shopping. Enquanto isso Apocalypse and friends invadem a Mansão para levar o Prof. Xavier porque o Apocalypse quer deixar de ser Oscar Isaac para ser James McAvoy.

Enquanto isso o Mercurio está indo fazer uma visitinha a Mansão faz a melhor cena do filme (outra vez) ao som de Sweet Dreams do Eurythmics.

O coronel Stryker chega e pega alguns mutantes para interrogar e assim Jean Grey e Cyclops vão parar na base onde está o Wolverine. Ele tinha que aparecer né? Nem que seja para matar um bocado de soldado e ajudar os X-men.

Apocalypse destrói todas as armas nucleares da terra mais algumas coisas e vai para o Egito começar o fim do mundo mas antes manda um recadinho para todos os humanos via Prof. Xavier.

Temos outra batalha entre mutantes e aí a Jean Grey mostra que tem o poder da Fênix e manda o Apocalypse calar a boca.

Todos voltam para reconstruir a mansão e ficam bem até a próxima picuinha.

Acho bacana ver os poderes, ver as referências aos outros filmes, os X-Men são divertidos, mas gostei mais do Capitão América: Guerra Civil.

E ninguém merece ver Oscar Isaac daquele jeito. Sdds Poe Dameron.

A Tia Helô ia ter medo do Apocalypse e seus quatro cavaleiros. 625 "Ai, Jesus!" para o mutante azul.

12.6.16

Analisando a música: Freedom '90 (George Michael)

Essa semana no Lip Sync Battle (um programa que os artistas americanos tem seu dia de Pablo, qual é a música? com muita produção) o Zachary Quinto batalhou com a Zoe Saldana e eu fiquei na dúvida entre duas músicas que eles apresentaram.

Zoe Saldana fez um ótimo lip sync de No Scrubs do TLC, inclusive com duas integrantes do grupo, e essa música, além de ser ótima, é bem apropriada ao momento porque fala de assédio e dá um fora musical no palhaço.

(Tem até uma história ótima que aconteceu no metrô de Chicago onde um cara assediou uma moça pedindo o telefone dela e quando ele insistiu "me dá seu número, você é tão bonita, quer o meu número?" a moça respondeu "No, I don't want you number!" e a moça do lado continuou "and no, I don't want to give you mine" e a outra "and no, I don't wanna meet you no where" e juntas "no, I don't wanna none of your tiiime".)

Só que... Zachary Quinto trouxe Cindy Crawford para ajudar no seu lip sync desse clássico do George Michael, ela roubou a cena, e eu lembrei que a-dor-ro essa música.

Duas músicas ótimas, mas fui no George Michael.

George Michael surgiu com o Wham! um duo inglês (que ele fazia junto com o Andrew Ridgeley) que tem músicas pop super dançantes como Wake Me up Before You Go Go e I'm Your Man, um clássico da dor de cotovelo: Careless Whisper, e uma música de Natal: Last Christmas.

O Wham! fazia sucesso com as adolescentes, lançaram 3 albums e em 1986 George partiu para carreira solo. Teve um babado entre os dois que levou ao fim do duo, mas depois fizeram as pazes.

(Cheguei a ver os dois juntos no Rock in Rio 2, em 1991, quando o Andrew fez parte do ótimo show do George Michael)

O primeiro album solo do George Michael foi Faith (1987). E foi um sucesso. É um disco pop muito bom, tem: I Want Your Sex, Faith, Father Figure, One More Try e Kissing a Fool. George Michael fez videos para quase todas as músicas, teve polemica e ele ficou super exposto. O pop não poupa ninguém.

Essa super exposição cansou o George Michael de um jeito que no album seguinte, Listen Without Prejudice (que também é muito bom), ele veio logo com Freedom! (o '90 foi colocado depois para não confundir com a outra Freedom do Wham!) que fala basicamente que a imagem não deve afetar a música, mas vamos analisar.


I won't let you down
I will not give you up
Gotta have some faith in the sound
It's the one good thing that I've got
I won't let you down
So please don't give me up
Because I would really, really love to stick around

George Michael já começa avisando que não vai decepcionar nem desistir, que a música é o que ele tem de bom. "Não vou decepcionar, não desista de mim, porque quero muito, mas muito mesmo, continuar (fazendo música e sucesso)". Ok, George Michael, manda ver então!

Heaven knows I was just a young boy
Didn't know what I wanted to be
I was every little hungry schoolgirl's pride and joy
And I guess it was enough for me

Então vamos saber a história de vida do pequeno George Michael. Era apenas um rapaz grego-britânico que não sabia o que queria da vida, mas montou um duo com seu amigo, fez sucesso com as meninas e para ele estava tudo bem.

To win the race? A prettier face!
Brand new clothes and a big fat place
On your rock and roll tv

Acontece que a indústria não perdoa e para fazer mais sucesso tem que fazer um make over. E foi o que aconteceu com o George Michael depois que ele saiu do Wham!. Cortou o cabelo, vestiu umas roupas mais apertadas e ganhou muito espaço na MTV.

But, today, the way I play the game is not the same
No way
Think I'm gonna get myself happy.

Mas ele quer mudar a tática de jogo (ou o jogo todo) e ser feliz. Está mais do que certo George Michael!

I think there's something you should know
I think it's time I told you so
There's something deep inside of me
There's someone else I've got to be

"Então deixa eu te dizer uma coisa, acho que está na hora de você saber, há algo dentro de mim, tem alguém que eu preciso ser." Uma estrofe fica a dica. Dizem que é o George Michael saindo do armário, mas não acho que foi exatamente o caso na época dessa música, acho que era mesmo sobre a carreira musical e sua imagem.
O George Michael só foi mesmo catapultado para fora do armário quando ele foi preso em 1998 por fazer amizades íntimas num banheiro público de Los Angeles.

Take back your picture in a frame
Take back your singing in the rain
I just hope you understand
Sometimes the clothes do not make the man

Toma de volta sua foto na moldura (uma coisa certinha), sua cantoria na chuva e espero que entenda: as vezes a roupa não faz o homem. Resumindo: não julgue um livro pela capa.

All we have to do now
Is take these lies and make them true somehow
All we have to see
Is that I don't belong to you
And you don't belong to me
Freedom
You've gotta give for what you take

Momento levanta os braços e canta!
"Tudo que precisamos fazer agora é pegar essas mentiras e fazê-las verdades de algum jeito." É George Michael querendo mostrar seu talento e sua música do jeito que ele quer. E ainda manda um recadinho para a gravadora: Não pertenço a você e nem você a mim. PAH! Freedoooom!!

Adoro que ele repete o refrão inicial nos intervalos entre Freeedoms.

Heaven knows we sure had some fun boy
What a kick, just a buddy and me
We had every big shot, good time, band on the run, boy
We were living in a fantasy

Voltamos ao pequeno George Michael e seu amigo que se divertiam no duo, fazendo shows, divertindo as adolescentes e vivendo a fantasia. Ahhh os bons tempos do Wham! né George Michael?

We won the race
Got out of the place
I went back home, got a brand new face
For the boys in MTV

Conseguiram sucesso, sairam da mesmice, mas aí o George Michael achou que era pouco, queria mais crédito, largou o duo, cortou o cabelo e foi rebolar na MTV.

But today the way I play the game has got to change
Oh, yeah
Now I'm gonna get myself happy

Acontece que ele precisa mudar o jogo para ser feliz.

I think there's something you should know
I think it's time I stopped the show
There's something deep inside of me
There's someone I forgot to be
Take back your picture in the frame
Don't think that I'll be back again
I just hope you understand
Sometimes the clothes don't make the man
Freedom!

E George Michael volta a deixar a dica, mas dessa vez é diferente. "Tem alguém que eu esqueci de ser", muito boa essa frase, é isso aí George Michael, tem que ser você mesmo. Ele acha que está na hora de parar o show e que se não o deixarem ser livre ele não voltará mais. PAH! PAH! PAH!
E a gente cantando e levantando os braços! Freeeedoooom!!

Well it looks like the road to heaven
But it feels like the road to hell
When I knew which side my bread was buttered
I took the knife as well
Posing for another picture
Everybody's got to sell
But when you shake you ass
They notice fast
And some mistakes were build to last
That's what you get
I say, that's what you get
That's what you get for changing your mind

Então parece o caminho do céu mas é a estrada do inferno. Ou seja, é tudo lindo na fachada mas por trás.... Aí vem essa metafora ótima: "Quando descobri em qual lado do meu pão tinha manteiga, tomei conta da faca." You go George Michael! Esse é o lado comercial dá música, tem que tirar foto e tem que vender discos. E aí ele fala quando dá uma reboladinha todos notam. E parece que George Michael se arrependeu da reboladinha clássica com zoom no derriere de Faith, mas fazer o que né? Depois de toda super exposição George Michael deve ter mudado de idéia mas os executivos queriam o artista de Faith.

And after all this time
I just hope you understand
Sometimes the clothes
Do not make the man

"Amigues, vocês ainda não entenderam que não se julga livro pela capa?"

All we have to do now
Is take these lies and make them true somehow
All we have to see 
Is that I don't belong to you and you don't belong to me
Freedom!

Ninguém é de ninguém e vamos todos ser livres e felizes.

I'll hold on to my freedom
May not what you want from me
Just the way it's got to be
Lose the face now
I've got to live

E como George Michael diz no início e ao longo da música, "não vou decepcionar nem desistir". Ele quer continuar fazendo música do seu jeito, que pode não ser o que os executivos (e alguns fãs) queiram mas vai ser assim e ponto final. Deal with it. Freeeeedoooom!


(Depois de Listen Without Prejudice o George Michael brigou com a gravadora e demorou 6 anos para lançar outro album, o Older - que também gosto- em 1996.)


O video dessa música é maravilhoso. Dirigido pelo David Fincher (sim, o mesmo de Clube da Luta, A Rede Social, Seven, etc), com top models daquele ano (cinco apareceram juntas numa capa da Vogue de Janeiro/1990). Tem Cindy Crawford, Naomi Campbell, Linda Evangelista, Christy Turlington e Tatjana Patitz, e os modelos masculinos John Pearson, Mario Sorrenti, Peter Formby e Todo Segalla. É muita gente bonita e sexy num video só!

Dizem que o George Michael aparece rapidamente numa parte significativa do video, não sei se é verdade, mas quem não sabe vou deixar adivinhar nos comentários.

Ter modelos profissionais fazendo lip sync de "sometimes the clothes do not make the man" é significativo.

No video, enquanto os modelos fazem lip sync da música, a guitarra, a jukebox e a jaqueta de couro, os símbolos do album anterior, Faith, são todos destruídos.

Agora vamos todos cantar e dançar Freedom! jogando os braços para o alto.