2.2.17

Analisando a música: Lithium (Nirvana)

Essa semana assisti o documentário Montage of a Heck que fala do Kurt Cobain, e do Nirvana por tabela. Esse documentário usou fitas gravadas pelo Kurt Cobain (com músicas, entrevistas, depoimentos, etc), filmes caseiros, os diários e desenhos. Tem também depoimentos dos pais, irmã, do Krist Novoselic e até da Courtney Love. Esse documentário é como ver um pouco da loucura dentro da cabeça do Kurt Cobain.

Kurt teve uma infância ok até seus pais se separarem e daí para frente foi rebelde com e sem causa. Ele era hiperativo e hipersensível. Kurt também devia ter alguns problemas de saúde que ele não resolvia, o histórico de família não estava a seu favor e era viciado em heroína. Tão viciado que a Courtney Love disse que ele queria ganhar dinheiro suficiente para ser junkie sem preocupações.

Kurt Cobain compôs músicas que farão sucesso ainda por muitos anos porque pessoas se indentificam com as letras melancólicas, dramáticas, guitarras pesadas e a voz crua dele. O Nirvana colocou o grunge no mapa mundial (junto com o Pearl Jam, mas isso é outra história) e os fãs vieram em progressão geométrica. Kurt Cobain queria sucesso mas não queria fama. Infelizmente para ele os dois vieram juntos e com força.

Além do Kurt Cobain, o Nirvana era composto pelo Krist Novoselic (amigo de adolescência do Kurt) e Dave Grohl (que entrou para ser baterista no Nevermind e ficou).

A discografia do Nirvana é curta, são 3 discos: Bleach, Nevermind e In Utero. Os dois últimos são ótimos. Ainda tem o excelente Unplugged que gravaram em 1993 e só foi lançado em 1994, depois que Kurt Cobain morreu.

Uma biografia boa sobre o Kurt Cobain é Heavier Than Heaven (Mais Pesado Que O Céu) do Charles Cross. A história dele e da banda é curta mas é intensa.

Já contei como abracei o grunge nos anos 1990 quando analisei uma música do Pearl Jam, e gosto de várias do Nirvana.

O Kurt Cobain odiava dar entrevistas e falava pouco das músicas, inclusive preferia saber o como os fãs as analisavam. Então, Kurt, vou dizer para você o que eu acho que Lithium significa.

Lithium é do album Nevermind. As letras do Nirvana não são longas mas são significativas e tem um bocado de coisa para analisar em poucas estrofes.

I'm so happy because today
I've found my friends
They're in my head
I'm so ugly, but that's ok, 'cause so are you
We've broken our mirrors
Sunday morning is everyday for all I care
And I'm not scared
Light my candles in a daze
'Cause I've found god

Essa música pode ser sobre várias coisas mas acho que é sobre transtorno bipolar, afinal lítio é um dos remédios indicados para controlar e estabilizar essa doença.
Bipolar é um estado mental volátil e poucas coisas são mais assustadoras do que uma doença mental, seja por química confusa do corpo, trauma, velhice ou drogas.
É uma música que começa num ritmo mais devagar mas o refrão vem com força, ou seja uma fase depressiva e uma fase irritada.

É uma música ambivalente com altos e baixos. (Come As You Are também é assim, todas as frases da música tem alguma contradição "take your time, hurry up don't be late")

A música começa com ele dizendo que está feliz porque encontrou os amiguinhos....que estão dentro da cabeça dele. "Eu sou feio, mas tudo bem, você também é.", aqui acho que ele está com uma outra pessoa que ele julga adequada a imagem que ele tem dele mesmo. Aí aproveitam e quebram os espelhos que pode ser: quebraram porque se acham tão feios que não aguentam olhar no espelho OU não se importam com suas aparências e não querem se preocupar.

E para ele todo dia pode ser domingo de manhã que ele não se importa. (Domingo de manhã é ótimo, eu gosto, sempre vou andar de bicicleta, mas não é o caso aqui.) Ele não está com medo, acende as velas e diz que encontrou deus. Aqui vale uma observação: Kurt Cobain, depois do divórcio dos pais, vivia pulando de casa em casa e passou por uma fase religiosa onde ele frequentou a igreja mas isso só durou uns três meses.

Yeah, yeah, yeah

A música aqui passe de um ritmo mais lento para um rock pesado e Kurt quase gritando yeah, yeah, yeah...

I'm so lonely but that's ok I shaved my head
And I'm not sad
And just maybe I'm to blame for all I've heard
But I'm not sure
I'm so excited, I can't wait to meet you there
But I don't care
I'm so horny but that's ok
My will is good

De volta a calma. Ele continua dizendo que está solitário mas tudo bem ele raspou a cabeça. Hã? Bem, nada como um look novo para dar animo. Mas ele se acha culpado de algo que aconteceu e relataram para ele, mas não tem certeza.
Ele está animado, mal pode esperar para encontrar outra pessoa, mas não se importa. Está com muito tesão, mas tudo bem a vontade dele é boa (no sentido que consegue segurar o impulso). Coisas que são simultaneamente excitantes e péssimas. Highs and lows.

yeah, yeah, yeah

I like it, I'm not gonna crack
I miss you, I'm not gonna crack
I love you, I'm not gonna crack
I killed you, I'm not gonna crack

E aí emenda o yeah yeah yeah forte e rock pesado com essas quatro frases que pegam carona no fim da estrofe anterior ("My will is good"), e diz: eu gosto mas não vou ceder, sinto saudades de você mas não vou ceder, te amo mas não vou ceder, te matei mas não vou ceder. Altos e baixos.
Aqui acho que, apesar da depressão, ele está dizendo que não vai tomar uma atitude mais drástica.


Como disse alguém na internet (procurei mas não achei): "Kurt Cobain era bom em transmitir a idéia de ter sentimentos fortes sobre não ter sentimentos.".

Vamos quebrar alguns instrumentos com o Nirvana! I'm not gonna crack!



2 comentários:

  1. Essa é a única música do Nirvana que eu ouvi e gostei... Come as you are também é legal...
    Muito boa sua análise, Kaká !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada!
      O Nirvana não tem músicas melódicas, é um rock mais cru mesmo. Acho que o grunge pegou forte na época (em mim pegou) mas acho que hoje não pega tanto. :)

      Excluir